Domínio da Sala de Aula

Problemas a serem equacionados

Rodse – Tema técnico 13

O grupo recusa-se a aceitar as conclusões do Dirigente:

  • O dirigente talvez tenha de aquiescer com o grupo
  • Dirija a discussão de perto, de tal forma que a mesma conclusão se origine do grupo, sob diversos aspectos
  • Encoraje aqueles membros que concordam com o dirigente a tomar sua defesa e falar
  • Use a pergunta redirigida – quando um membro antagoniza uma afirmativa do líder, faça que outro membro anule este antagonismo
  • Faça um levantamento das opiniões do grupo

Um membro do grupo opõe-se ao Dirigente

  • Permita que outros membros respondam à suas perguntas e objeções
  • Deixe o assunto interpelado pelo membro aparecer como uma afirmativa e, de acordo com o grupo, faça com que não seja aceita
  • Faça uma votação no grupo para mostrar que ele está em minoria

Um dos membros, frequentemente opõe-se aos pontos de vista do Dirigente ou dos outros membros

  • Procure descobrir porque ele é tão hostil
  • Evite sua participação, tanto quanto possível
  • Reajuste suas opiniões a fim de torná-las mais aceitáveis
  • Permita que o grupo “caia” sobre ele, usando a pergunta “redistribuída”
  • Encoraje outros membros a mostrar concordância com as suas opiniões
  • Se possível, faça-o ver que está em minoria
  • Use a pergunta reversível

Em caso de interrupção indevida de alguém, efetuando pergunta ou colocação, deixá-lo falar, desde que não se alongue em demasia, responder-lhe com firmeza, rogando, em seguida, para a harmonia da reunião, o obséquio de não interromper novamente, e anunciar que, após a preleção, poderá conversar com os interessados em particular, sanando dúvidas dentro do possível.

Luiz Signates – Caridade do Verbo – capítulo 16

Tipos de manifestações

O Homem dos apartes

É dispersivo, distrai os outros.  Pede apartes para falar do assunto ou de outra coisa

Fazer-lhe uma pergunta direta sobre o que está sendo discutido.

O Pedante

Trata o grupo com altivez.  Não se integra nele.  Critica duramente os outros e se coloca num pedestal.  Não ferir sua suscetibilidade.  Não o critique.

Use a técnica duvidosa – concordar, mas depois ponderar conduzindo-o à reflexão

O Introvertido

É naturalmente modesto.  É prudente e reservado.

Procure integrá-lo lentamente, sem que ele perceba. 

O Tagarela

Fale de tudo e sem parar, exceto do assunto em questão.  Cansa, em geral, os interlocutores.

Cortar delicadamente o “discurso” que faz, dizendo que sua observação é interessante, retornando ao assunto através de uma pergunta.

O eterno perguntador

Pergunta para atrapalhar.  Deseja saber sua opinião.  Deseja que você apóie o ponto de vista dele.

Devolver a pergunta ao grupo.  Não tomar partido; manter-se neutro.

O Sabe-tudo

Quer exibir-se.  Quer impor sua opinião.  Às vezes está bem informado, mas outras é simplesmente tagarela, convencido de saber tudo.

Dar uma função para que fale.  Evitar que domine o grupo.  Levar o grupo a julgar suas objeções.  Interrompa-o dizendo: É um detalhe interessante, mas vamos ver o que os colegas pensam disso.  Lançar uma pergunta difícil para limitá-lo.

O Tímido

Não tem coragem ou habilidade para expressas suas idéias.  Teme a crítica e o julgamento dos outros.  Necessita de ajuda.

Fazer-lhe perguntas fáceis. Fazer com que o grupo valorize sua participação

O Obstinado (idéia fixa)

Ignora sistematicamente o ponto de vista alheio.  Não cede.  Nada quer aprender com os outros.

Passe o seu ponto de vista para o grupo.  Conduza-o a compreender que a maioria está certa.  Peça para aceitar, por um instante o ponto de vista do grupo

O do Contra

Gosta de discutir e dar o contra sempre, mas às vezes é um bom sujeito, descontrolado, revoltado, talvez por dificuldades pessoais.

Acalmá-lo.  Não deixar que o grupo se excite.  Procurar tratar de outro assunto.  Dizer-lhe que os problemas individuais serão resolvidos depois, em particular.  Dar mérito a alguma de suas observações.

O Legal

Sempre pronto a ajudar.  Seguro de si.  Não foge às dificuldades.  Encara-as espontaneamente. Sabe aceitar os colegas como são.  Recebe sem melindres as críticas que lhe fazem.

Usá-lo em momentos oportunos.  Não exagerar sua participação.

O Mudo Voluntário

Não se interessa por coisa alguma. Considera-se acima das questões discutidas, achando-as simples demais, ou sente-se incapaz de abordá-las por serem muito elevadas.

Buscar sua participação via assunto que ele saiba.  Se é do tipo “superior”, peça sua opinião, indicando o valor que o grupo dá a sua experiência, mas não exagerar para que o grupo não se ressinta.  Dar destaque na primeira vez que falar.

O Aberto

Não se faz de rogado para manifestar sua opinião.  Diz o que pensa.  É bem humorado, Fala com simplicidade e se torna simpático a todos.

Usá-lo quando houver tensão no grupo. 

Enfim:

É fundamental a percepção do expositor para com o aluno.  Ele também deve prestar atenção e conhecer seus alunos