Plano de Aula Atletismo

PLANO DE AULA

TEMA: Atletismo na Educação Física Escolar

PÚLICO ALVO: SÉRIE: 7º e 8º ano / TURMA 700 e 800 / TURNO: Primeiro

TEMPO ESTIMADO: Uma semana e aulas com duração de 60 Minutos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
* Despertar no aluno o interesse pelas Danças Folclóricas.
* Conduzir o aluno a uma vivência diferente do seu cotidiano.
* Conhecer a importância histórica da Dança das Fitas/Do Pau de Fitas.
* Ensinar os movimentos e passos básicos da Dança das Fitas/Do Pau de Fitas.
* Trabalhar a Coordenação Motora e o Equilíbrio através da Dança do Pau de Fitas

CONTEUDOS:
* Conceituação do atletismo.
* Jogos e situações próximas às da modalidade oficial.
* Competições oficiais e as diferenças de gênero

AQUECIMENTO.
Balão no pé
* O professor solicitará ao grupo que fique no centro da quadra, de pé. Então distribuirá um balão e um pedaço de cordão para cada participante.
* À seguir, cada participante soprará até encher o seu balão, amarrará e prenderá no tornozelo direito.
* O professor acionará um cronometro e avisará que todos têm cinco minutos para estourarem os balões uns dos outros.
* Ao sinal do professor todos os participantes poderão estourar os balões dos seus colegas.
* O jogo terminará ao final do tempo demarcado ou se todos os balões forem estourados antes disso.
*Objetivo: Aquecer as crianças para as próximas atividades do conteúdo principal

PARTE PRINCIPAL.
1ª etapa.
Perguntar aos alunos o que eles conhecem sobre o atletismo. Em seguida passar um vídeo que mostre imagens de diversas provas, como esse e esse. Discutir o vídeo com os alunos, buscando construir um conceito sobre esse esporte. Deixar todos se manifestar, complemente, corrigindo os equívocos e respondendo às perguntas que surgirem. Ressaltar que a modalidade engloba diversas provas, a maioria individual. Agrupar cada uma para melhor entendimento dos alunos: corridas, saltos, arremessos e lançamentos, explicando que existem variações. Explicar que as corridas, por exemplo, incluem as corridas de velocidade de 100 metros, as corridas de velocidade de 200 metros, as corridas de revezamento, corridas de obstáculos, corridas com barreiras e as maratonas.
Escolher uma das provas em conjunto com os alunos ou fazer uma sugestão, como a corrida de velocidade, que pode ser feita de uma extremidade à outra da quadra. Primeiramente, separar meninos e meninas explicando que nas modalidades de corridas oficiais essa é regra (esse será o único momento em que eles estarão separados). Depois, deverão ser colocados para correr juntos, divididos em grupos mistos menores. Quem estiver esperando a vez deverá ficar responsável por marcar os tempos de cada corredor, além de observar e anotar quem chega primeiro.
Em seguida, propor um jogo no qual os estudantes são colocados em duplas. Cada dupla receberá uma folha de jornal que deverá ser levada ao colega parceiro – que se posicionará à sua frente, em sentido contrário ao dele e a uma distância que pode ser de uma lateral a outra da quadra (ou de uma linha de fundo a outra). A folha deve ser colocada em contato com o corpo, sem ser dobrada, ou segurada pelas mãos. Vence a dupla que conseguir fazer o trajeto primeiro. (neste caso, quem está com a folha leva para o parceiro, chegando ao lado oposto à sua posição inicial. O parceiro então, pega a folha e a leva para o outro lado, de onde saiu seu companheiro). A dupla que conseguir fazer essa troca de lugar levando a folha de jornal junto ao corpo andando rápido, mas sem correr, vencerá. Esse mesmo jogo poderá ser feito com mais estudantes, assim, a equipe que trocar de lugar primeiro, levando o jornal desse modo será a vencedora. Concluídas as duas atividades, organizar uma roda de conversa e incentivar todos a comentarem as vivências, identificando o que foi aprendido e de que forma, ou a apresentar dúvidas. Deverá ser comentado sobre as diversas provas de corrida de velocidade e as características básicas delas: distâncias curtas, saídas baixas (com blocos de partida, para dar impulso) e velocidade como capacidade física fundamental, sempre incentivando a discussão sobre a questão do gênero e mostrando um olhar crítico, não se esquecendo de incentivar a superação de preconceitos. Comentar sobre a corrida individual, por gênero e depois mista, perguntando como foi para os alunos essa vivência. Exponha as questões fisiológicas que permeiam as competições olímpicas que separam os atletas dessa forma.

2ª etapa.
Retomar as atividades da aula passada, relembrando as características básicas das corridas de velocidade, e propor a prática de um jogo – que deve ser comparado aos realizados anteriormente. Dividir a turma em grupos mistos com aproximadamente oito integrantes cada. Se as equipes ficarem com um número desigual, basta um aluno participar duas vezes. Organizar os alunos (as) competidores em colunas, distantes uma da outra em mais ou menos uns dois metros numa das laterais da quadra.
Um aluno do grupo fica do lado oposto da quadra e, ao seu sinal, sai em busca do
colega que está no inicio da coluna à sua frente. Lá chegando, ele segura esse colega pela mão e os dois voltam para lado oposto da quadra. Os dois dão meia volta e buscam o próximo da fila, sem soltar as mãos.
Ganha a equipe que se transferir mais rapidamente para o outro lado da quadra.
Terminado o jogo, reúna os estudantes num roda de conversa e peça que exponham suas reflexões sobre a prática e a construção do conhecimento acerca dela. Faça um comparativo com as características das corridas de velocidade e as de resistência, buscando levantar os elementos que caracterizam essa última: distâncias longas, saída alta (em pé) e resistência aeróbica como capacidade física principal.

3ª etapa
Deverão ser resgatadas as vivências realizadas nas aulas anteriores e, em seguida, perguntar-se o que as crianças sabem sobre o espaço onde ocorrem as competições de atletismo. Discutir o tema propondo que todos juntos construam uma pista na quadra. Poderá ser sugerido a utilização de giz ou fita crepe para contornar o espaço e construir pelo menos duas raias. Outra opção é o uso de cones ou garrafas “pet” com água. Feitas as raias, explicar sobre a diferença no comprimento da interna e que, por isso, quem está nela tem de largar de uma marca localizada mais atrás. Em seguida deverá ser proposto, uma corrida de velocidade entre os alunos nesse espaço. Se não for possível fazer várias raias, sugerir que alguns alunos marquem os tempos dos outros e anotem os nomes numa cartolina ou papel pardo para posterior análise. Nesse período, os que não estiverem participando deverão realizar outra atividade. Em seguida, será organizada uma corrida de revezamento, utilizando cabos de vassouras cortados ou canudos de jornal, colocando os alunos em grupos mistos e ressaltando a importância do trabalho em equipe. No fim, formar uma roda de conversa para todos exporem as reflexões sobre as vivências e o que aprenderam com elas. A seguir, retomar o cartaz com os nomes e os tempos para uma análise conjunta dos melhores tempos e equipes e levantar as razões dos resultados e a questão de ganhar e perder. Apontar se houve mais meninas que meninos com tempos melhores, incentivando o debate. Cada turma terá um cenário diferente. O importante é levar os alunos a analisar os resultados de forma crítica, observando as inúmeras questões que envolvem a competição e as diferenças de gênero. É possível que apareça uma menina mais rápida que todos os meninos ou não. A discussão é válida em ambos os casos para acabar com os preconceitos relativos a participação de meninos e meninas em conjunto nas atividades que englobem a educação física escolar ou qualquer outra modalidade relacionada atividades físicas em geral.

4ª etapa
Recordar o que foi abordado nas aulas anteriores, comparando os dois tipos de corrida e suas características principais. Ressaltar a importância da vivência na pista construída e propor o uso dela para as corridas de resistência. Como seria possível utilizá-la tomando por base as características desse tipo de competição? Em cada turma surgirão ideias diferentes. Uma possibilidade é o jogo do mensageiro. Para isso, bastar que se divida os alunos em dois ou três grupos, os quais deverão numerar seus participantes. O número 1 de cada equipe receberá uma mensagem a ser levada ao rei tendo que, para isso, dar três voltas na pista. Depois, ele passará a mensagem para o próximo mensageiro do seu grupo (o número 2) até que ela chegue ao rei. O grupo que levar a mensagem ao rei primeiro vence o jogo. No fim do jogo, deverá ser discutido com todos sobre o que sentiram e aprenderam. Em seguida, contar a história da maratona, de forma a despertar a curiosidade e a imaginação da garotada..

5ª etapa
Fazer uma revisão do que foi aprendido até então, sempre com base no que os alunos mencionarem. Iniciar a construção do conceito de marcha atlética, questionando-os a respeito da única prova de atletismo que se faz andando.
Propor o jogo pega – congela andando. Dois ou mais pegadores devem encostar a mão nos demais para congelá-los e quem está livre tem de descongelá-los da mesma maneira, mas ninguém pode correr somente andar. Devendo ser mudados os pegadores a cada 2 a 3 minutos. Após esse jogo, conversar sobre os movimentos necessários durante a brincadeira e incentivar as discussões sobre o tema buscando construir o conceito de marcha atlética. A seguir, explicar a diferença entre essa prova e as anteriores, como a inexistência da fase aérea (presente na corrida).
Em seguida, sugerir uma atividade de pega-pega em duplas.
Numa das laterais da quadra, os alunos serão posicionados um na frente do outro, os dois voltados para a mesma direção. A distância entre eles deverá ser de três passos. Após o sinal, a criança de trás tenta pegar a da frente, mas ambas só podem andar rápido. Ao chegarem à outra lateral as funções se invertem e o jogo se repete. A atividade pode ser retomada com a troca dos membros da dupla. Primeiro, propondo trajetos curtos para que a turma entenda a dinâmica da marcha. No entanto, é importante alterar o percurso a fim de que os estudantes fiquem mais tempo nessa movimentação. Se preferir, estabelecer um tempo para que consigam pegar o colega.
No fim da atividade volta-se à roda de conversa para que falem sobre o que sentiram e as dificuldades encontradas. Com base nisso, complementar os conceitos construídos anteriormente, tratando das características dessa prova: distâncias longas, partidas altas e resistência aeróbica como capacidade física fundamental.

6ª etapa
Retomando novamente o que os alunos aprenderam anteriormente, indagar sobre as corridas com barreiras e obstáculos, incentivando a curiosidade e a descoberta. Após essa primeira sensibilização, mostrar este vídeo. Os alunos vão relembrar os outros tipos de corrida e observar imagens da de obstáculos e da com barreiras. Pensar com os alunos na possibilidade de realizar essas corridas na escola torna-se importante para criar adaptações. Propor a colocação de barreiras feitas com cones e cordas na pista construída na quadra ou de uma extremidade à outra da quadra. Pode-se usar barbante e garrafas “pet”, uma sobre a outra. Para isso, deverá se cortar a boca de algumas garrafas e encaixar uma na outra até a altura desejada. Colocar água ou terra na garrafa de baixo. Prender o barbante na boca da de cima.
Incentivar os alunos que ficarem com medo de tropeçar ou mesmo de fracassar. Deixá-los experimentar antes de começar a corrida de uma forma mais competitiva, sempre lembrando que o objetivo da aula é diferente do relativo ao esporte oficial. Formar dois ou três grupos onde cada integrante receberá um número. O primeiro a realizar o trajeto, volta, dá o sinal para que o segundo vá e assim por diante.
A ideia de formar grupos visa dinamizar a aula, pois o elemento competitivo é motivador, além de estimular o trabalho em equipe, o respeito com as crianças menos privilegiadas fisicamente e às pessoas com deficiências, no caso de haver alguma.
Em seguida deverá ser construído com as crianças os obstáculos para outra modalidade de corrida. Podem ser usadas as mesmas barreiras da vivência anterior e também caixas de papelão grandes ou outros materiais disponíveis. Lembrando de deixar a turma explorar os materiais em grupos antes da competição, de estabelecer um percurso mais longo ou indicar que os participantes passem duas ou mais vezes pelo percurso, apontando aí uma das diferenças entre as duas corridas. Depois, organizar uma roda de conversa expondo as reflexões e os apontamentos e fazendo a construção de conceitos sobre os dois tipos de corridas e suas características.

VOLTA À CALMA:
Jogo da boa memória
* O professor reúne a turma em círculo e pede para todos se sentar.
* Ele explica a brincadeira. Da esquerda para direita ou ao contrário, o primeiro aluno dirá o seu nome e uma modalidade esportiva do atletismo que lhe agrade. O segundo aluno dirá o nome do colega que falou anteriormente a ele, a modalidade que o colega citou, seu próprio nome e uma modalidade de atletismo do seu agrado. O terceiro repetirá tudo o que os outros dois falaram, seu próprio nome e uma modalidade atlética que goste. A brincadeira prossegue até chegar ao último aluno que deverá recordar-se de tudo o que foi falado pelos colegas. Caso alguém erre pelo meio do caminho, este aluno (a) sai da brincadeira e a mesma se inicia com o aluno à seguir ao que saiu, começando tudo “do zero”.
* Objetivo: incentivar as crianças a decorar os nomes das modalidades do conteúdo trabalhado, o atletismo de uma forma lúdica e divertida.

MATERIAL UTILIZADO:
* Para as aulas práticas.
* Quadra desportiva ou pátio com condições básicas para se realizar os exercícios, dentro da escola ou ao entorno dela, uma caixa de giz ou um rolo de fita crepe, balões de encher.
* Para as aulas teóricas.
* Um data show, um DVD com a história do atletismo e suas provas.

BIBLIOGRAFIA:
Disponível em:
http://www.cbat.org.br/
http://www.suapesquisa.com/educacaoesportes/atletismo.htm
http://www.esoterikha.com/coaching-pnl/dinamicas-de-aquecimento-para-grupos.

_________________________ ________________________________
Estagiário (a) Professor (a) – UNISUAM

Rio de Janeiro, 24 de Abril de 2014